Você sabe o que é Dermolipectomia Abdominal?

Este nome complicado nada mais é do que uma cirurgia para retirada de uma determinada quantia de pele e gordura da região abdominal.

Há uma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdome de cada paciente. Vale ressaltar que não são os quilos retirados que definem a qualidade do resultado estético do procedimento.

O que define tal resultado é a proporção que o abdome mantém com o restante do tronco e dos membros. A maior parte das mulheres apresenta certa flacidez do abdome após uma ou mais gestações, com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região.

Estes casos permitem excelentes resultados, desde que a cirurgia seja feita por um profissional experiente e habilitado, como Dr. Juan Sánchez.

Em casos em que o paciente está com o peso acima do normal, o resultado também será compensatório e proporcional ao restante do corpo.

Mas vale lembrar que excesso de gordura em outras regiões vizinhas do abdome ainda existirá. Dessa forma, o ideal é prosseguir com um tratamento clínico ou fisioterápico, para equilibrar as diversas partes entre si.

A cicatriz que fica depois de feito o procedimento de uma dermolipectomia localiza-se horizontalmente, logo acima dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo do volume do abdome a ser corrigido.

Esta cicatriz é planejada para ficar disfarçada sob as roupas de banho.

PRECISAREI DE UM ‘NOVO’ UMBIGO SE FIZER ESTA CIRURGIA?

A resposta é: não! O próprio umbigo do paciente é transplantado e, se houver necessidade, será remodelado, mas não refeito.

Em torno do umbigo existirá uma cicatriz que sofrerá a mesma evolução da cicatriz da dermolipectomia. No 1º mês, a cicatriz tem aspecto pouco visível.

Do 2º ao 12º mês, há um espessamento natural da cicatriz e mudança na tonalidade de sua cor, passando de vermelho para marrom (aos poucos, vai clareando).

Do 12º ao 18º mês, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente, atingindo seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período.

Várias técnicas existem para a reimplantação do umbigo, podendo ocorrer necessidade de futuras revisões cirúrgicas. Isto acontece em decorrência da evolução cicatricial de certos pacientes.

Se preciso, a correção é feita com uma pequena cirurgia, com anestesia local, alguns meses depois do procedimento principal.

EXCESSO DE GORDURA SOBRE A REGIÃO DO ESTÔMAGO

Nem sempre este tipo de excesso de gordura é corrigido com esta cirurgia. Vai depender do tipo de tronco do paciente (conjunto tórax + abdome).

Se ele for do tipo curto, dificilmente será corrigido. Se for do tipo longo, o resultado será mais favorável. Também tem importância a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste esta área do corpo.

E há riscos nesta operação? Raramente esta cirurgia traz sérias complicações, desde que realizada dentro de critérios técnicos e por profissionais de experiência comprovada, como Dr. Juan Sánchez.

Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório, além da ponderação sobre a conveniência de associação desta cirurgia com outras.

No caso, com a lipoaspiração, onde poderá ser retirada a gordura dessa região.

QUAIS CUIDADOS DEVO TOMAR DEPOIS DA CIRURGIA?

Feito o procedimento de dermolipectomia, deve-se evitar esforços por 3 semanas. Está indicado levantar-se e caminhar lentamente várias vezes ao dia, com períodos de repouso intercalados.

Deve-se evitar, subir e descer escadas. Tomar muito líquido durante o dia e respeitar os horários das medicações. O médico deve liberar para o banho, somente após a retirada do dreno, que deverá ocorrer em até 3 dias.

Não é recomendado exposição ao sol por um período médio de 3 meses. Não é solicitado pelo Dr Juan Sánchez andar curvado, mas sim com leve relaxamento dos ombros, por um período de aproximadamente 3 semanas.

É importante voltar ao consultório para os curativos subsequentes, nos dias e horários estipulados. A alimentação é livre, com exceção de casos especiais, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos…) e vitaminas (frutas). E, claro, obedeça à prescrição médica!