Transpiro excessivamente nas axilas. Tem algum tratamento?

Sim! Para a hiperidrose axilar, há uma cirurgia com laser, que é considerada um grande avanço e uma conquista nesta área da medicina.

A nova tecnologia, dinâmica e rápida, é usada pelo cirurgião plástico Juan Sánchez. Com a aplicação de anestesia local, o laser é utilizado debaixo da pele.

  • E como funciona?

A ação do calor produzido pelo laser é capaz de desativar o funcionamento da glândula que produz o suor em excesso.

  • E isso é definitivo?

Os procedimentos realizados apontam que os pacientes relatam uma diminuição de 70% a 90% dos incômodos sintomas.

  • E como é a cirurgia?

Esta é considerada uma pequena cirurgia, que apresenta um pós-operatório com um mínimo desconforto. Não há nem a necessidade de internação para a realização do procedimento, uma vez que a anestesia é apenas na pele.

O período de recuperação é bem curtinho e, consequentemente, o retorno às atividades normais é breve. O resultado poderá ser percebido nos primeiros dias e os estudos preliminares mostram que pode ser permanente.

Por motivos técnicos, o procedimento com laser somente é possível nas axilas. Apesar de ser uma cirurgia ainda nova, os níveis de satisfação dos pacientes têm sido a melhor resposta ao procedimento e demonstram que o tratamento veio para ficar.

QUANDO A TRANSPIRAÇÃO É UM PROBLEMA

Quem convive com a transpiração excessiva sabe bem o quanto isso é desagradável e o quanto interfere na qualidade de vida e na autoestima.

Basta um simples movimento físico para o suor vir à tona. Por vezes, mesmo parado e ‘longe’ do calor, a pessoa transpira. E, sim, isso é um incômodo.

A transpiração ocorre normalmente para controle da temperatura corporal diante das variações da temperatura externa.

O ruim é quando o suor ocorre de forma desproporcional e demasiada, causando desconforto e embaraços na vida social e profissional.

Estima-se que 2% a 3% da população sofra com este problema em maior ou menor grau. O nome médico para tal problema é hiperidrose. Os locais mais comumente afetados são mãos, pés e axilas.

OUTROS PROCEDIMENTOS

Além da cirurgia de laser (que como dita no texto anterior, é exclusiva para as axilas), existem outros tratamentos disponíveis, com resultados distintos.

Dentre as opções disponíveis, tem os tratamentos sem cirurgia. A aplicação de Botox (a toxina botulínica) é um dos meios mais aceitos.

Neste tratamento, o Botox tem eficácia e mínimos efeitos colaterais. No entanto, tem uma durabilidade curta (média de seis a nove meses), o que diminui um pouco a sua popularidade e uso.

Em relação ao tratamento cirúrgico, o mais difundido é a cirurgia chamada de “simpatectomia”, que consiste no “desligamento” da raiz do nervo responsável pela transpiração.

TRANSPIRAÇÃO COMPENSATÓRIA

A ‘simpatectomia’ (desligamento da raiz do nervo responsável pela transpiração) tem alta eficácia para as mãos e axilas.

Mas tem, também, suas desvantagens. Exemplo: a necessidade de internação e de anestesia geral, além de uma transpiração compensatória.

Esta última desvantagem acontece em quase metade dos casos e o paciente passa a transpirar em outro local, anteriormente seco, como costas, nádegas e membros inferiores (por isso o nome ‘transpiração compensatória’).

O risco de apresentar esta transpiração em outros locais e a necessidade de internação acaba por desanimar alguns potenciais candidatos a este procedimento.

Mas como a medicina avança constantemente no quesito tecnologia, a cirurgia com laser é a opção para o tratamento da hiperidrose.