Comunicado Oficial da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

logo-01

Comunicado Oficial nº 001/2012

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica
Referência: Implantes Mamários – PIP (Poly Implant Prothese)

Considerando o documento oficial, emitido em 23 de dezembro de 2011, pelas autoridades sanitárias da França, recomendando a remoção dos implantes mamários da marca francesa Poly Implant Prothese – PIP, afeta EXCLUSIVAMENTE as mulheres portadoras desta marca.

Tal decisão fundamenta-se, de acordo com informações do governo francês, em testes que indicaram comprometimento da resistência das próteses e que o silicone utilizado para preenchimento, diferente daquele que havia sido autorizado para uso em saúde, podendo provocar irritação num eventual vazamento. Os mesmos testes laboratoriais descartaram risco de toxicidade e câncer.

No Brasil, de acordo com a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), órgão oficialmente responsável pelo registro do referido implante, a comercialização das próteses PIP foi suspensa em abril de 2010.

Até aquela data o país importou 34.631 unidades, dos quais 24.534 foram comercializados, e 10.097 recolhidas pela ANVISA.

Estima-se que 12.000 mulheres são portadoras deste produto em território nacional, sendo que até o presente momento, nenhuma notificação de incidente foi oficialmente registrada por órgãos de Vigilância Sanitária; Fiscalização Médica ou Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

De acordo com os Alertas Sanitários nº 1015 (01/4/2010) e nº 1107 (23/12/2011), não existem razões que justifiquem a remoção e substituição preventivas dessas próteses, a não ser que uma ruptura efetiva seja identificada.

Não obstante, recomenda-se que as mulheres portadoras das próteses PIP procedam avaliação médica a fim de definirem junto a estes profissionais a melhor conduta a ser adotada.

Isto posto, todas as mulheres com outros implantes mamários devem continuar a se sentir seguras com este dispositivo.

Muitos estudos científicos demonstram que mulheres com implantes mamários tendem a uma incidência 30% menor de câncer de mama do que o estatisticamente esperado.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica reitera a todas mulheres, portadoras ou não de implantes mamários, os princípios básicos de auto exame das mamas e avaliação médica periódica.

Considerando a competência para o assunto, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, recomenda que qualquer grave e/ou inesperada ocorrência relacionada às referidas próteses PIP, sejam notificadas a ANVISA, por meio do e-mail:tecnovigilancia@anvisa.gov.br .

De mesma forma recomenda a leitura de texto informativo disponível no portal da ANVISA (www.anvisa.gov.br).

De acordo com as evidências científicas atuais, conclui:

Não há motivos para pânico;
As próteses (PIP – Poly Implante Prothese), alteradas em sua confecção ou não, só apresentam riscos se estiverem rôtas;
Os problemas efetivamente ocorridos (ruptura da prótese), são diagnosticáveis e tratáveis por meio de cirurgia específica;
As mulheres portadoras das próteses PIP devem procurar seus cirurgiões para avaliação e eventual tratamento necessário;
Os Cirurgiões Plásticos que utilizaram as próteses PIP devem convocar suas pacientes para avaliação;
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica permanece atenta as apurações dos fatos e eventuais decisões futuras da ANVISA.

São Paulo, 04 de janeiro de 2012.

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

CONFIRA O COMUNICADO NO SITE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA:
http://www2.cirurgiaplastica.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=450