Esclarecimento da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

Hoje, dedicaremos nosso canal de comunicação com você para a divulgação de uma nota de esclarecimento a reportagens exibidas pela imprensa.

A nota é assinada pela Comissão de Silicone da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, que expressa seu posicionamento, conforme mensagem que segue abaixo.

“A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica transmite aos sócios, informações oficiais do Ministério da Saúde e parecer técnico científico do Instituto Nacional do Câncer, ambos do Governo Francês, esclarecendo assim, nota divulgada em 17 de março de 2015, pela imprensa brasileira, correlacionando o uso das próteses de silicone em cirurgias mamárias, com eventual observação de recentes casos de câncer de mama do tipo Linfoma Anaplásico de grandes células.”

Em várias outras oportunidades, notícias desta natureza foram veiculadas, causando inquietude, com significativos prejuízos para pacientes portadores destes produtos; notícias estas, que contradizem posições científicas.

Permanecem as orientações de não alarmismo, mantendo-se rotinas médicas de acompanhamento dos pacientes, com exames de imagem da região mamária, de acordo com avaliação profissional.

Próteses mamárias de silicone, assim como outros muitos tipos de implantes deste material tem sido constantemente estudados, sendo cada vez maior a sua aplicação na Medicina e em especial na Cirurgia Plástica, com elevados índices de segurança e satisfação.

A Comissão de Silicone da S.B.C.P. está em contato direto com diversas instituições científicas e sanitárias nacionais e internacionais, não havendo, até o momento, nada que justifique a interrupção de seu uso dentro das normas vigentes em todo o território nacional.”

A MAMOPLASTIA DE AUMENTO

Ainda neste tema, vamos repetir uma conversa que já tivemos aqui a respeito da mamoplastia de aumento. Ela é indicada para aumentar o volume das mamas que apresentam pouca ou nenhuma flacidez.

Inclui a colocação de implante de silicone em gel coesivo (altamente seguro, sem restrições para rastreamento do câncer de mama; leia mais acima), com cicatrização eficaz e bastante discreta, peri areolar, no sulco infra-mamário ou axilar.

A cirurgia pode aumentar o tamanho das mamas ou deixá-las simétricas, e devolver seu volume ou reconstruí-las após perda total ou parcial da mama (no caso da reconstrutiva).

O tipo, forma e tamanho dos implantes escolhidos são determinados pelo médico, que levará em conta seu estilo de vida, contorno corporal, quantidade de tecido mamário, tamanho e aparência desejados.

QUANDO USAR O SILICONE?

Vale repetir e ressaltar que o implante de prótese de silicone é indicado para pacientes com pouco volume de mama e com flacidez.

A mastopexia com prótese alia a retirada do excesso de pele com a colocação do implante de silicone, geralmente retro-muscular.

A cirurgia apresenta alta dificuldade técnica e é tema constante de debate em congressos. Já foi, inclusive, objeto de estudo e desenvolvimento do Dr. Juan Sánchez.

Atualmente, graças a estes estudos e avanços, os resultados são duradouros e a cicatriz é pequena, o que proporciona um excelente resultado estético. Depois de feita a cirurgia, a paciente deve seguir as orientações médicas, com bastante zelo.

QUANDO NÃO USAR O SILICONE?

A mastopexia sem prótese é indicada para pacientes que desejam apenas levantar as mamas, mas sem aumentar seu volume.

É necessário que a paciente tenha uma quantidade maior de tecido mamário, mais denso e sem flacidez de pele. A cicatriz é reduzida e, também, com ótimo resultado estético.

A anestesia é a peridural com sedação. No pós-operatório, a paciente usará curativo com micropore durante três semanas.

Há a necessidade de uso de sutiã especial para mastopexia, durante dia e noite, por três semanas. Os demais cuidados e orientações são semelhantes aos procedimentos abordados nos textos anteriores.

As recomendações do médico devem ser seguidas rigorosamente.