Há mais de 35 anos vem sendo empregado o silicone na forma sólida, em todo o mundo, com milhares de pacientes operados, sem que se tenha assinalado a presença de ação cancerígena do silicone. Trata-se de substância inerte ao organismo e que se mantém em seu lugar de introdução, dentro de uma cápsula fibrosa que o próprio organismo se encarrega de elaborar, logo nos primeiros dias. Raros são os casos de eliminação da peça. Quando isto acontece (geralmente devido a problemas no pós-operatório imediato por infecção, traumatismo sobre a área operada, hemorragia, etc.), retira-se a peça mediante simples cirurgia sob anestesia local, sem ficar qualquer sequela. Posteriormente poderá ser reintroduzida nova peça. O Silicone, na forma líquida, é condenado para uso médico.

Posted in: Mentoplastia (cirurgia de queixo)